Missão: A diretoria Nacional das Mulheres Episcopais Anglicanas do Brasil (UMEAB), da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, é o órgão de integração das Diretorias Diocesanas da entidade e/ou lideranças do trabalho feminino, em nível de diocese.

CSW61 - Comissão das Nações Unidas sobre o Status da Mulher – CSW61

Quando se recebe um convite, num primeiro momento fica-se animada, agradecida, empolgada. E assim aconteceu comigo. Convite feito e aceito. Emoção. Meses de preparo, respondendo e-mails enviados pela Rachel Chardon, Diretora Administrativa e de Programas Gerais da Comunhão Anglicana na ONU, elaboração de um paper, biografia, leituras. Além da ansiedade, responsabilidade, compromisso, sonho, correia diária. Tudo isso ocorreu nos dias que antecedem a viagem para a 61ª sessão da Comissão das Nações Unidas sobre o Status da Mulher – CSW61, em New York, de 10 a 24 de março.

Quando se olha para o nosso país, nota-se a redução de políticas sociais, o desemprego que cresce diariamente, as propostas de alteração das regras de aposentadoria, a educação e saúde deixadas de lado. A desigualdade social aumenta ainda mais e, com isso as mulheres tornam-se mais vulneráveis no contexto socioeconômico e social atual. Vivendo nesse contexto, participar da Conferencia das Nações Unidas sobre o status da Mulher, que tem como tema “o empoderamento econômico das mulheres” é uma dadiva, dádiva no sentido de poder se fazer presente com mulheres, irmãs anglicanas de todos os cantos do mundo, com suas experiências, lutas e sonhos de termos um amanhã melhor. Sabemos que em sua maioria, as mulheres, no mundo, dedicam-se a atividades econômicas na informalidade e, nesta condição, estão fora de qualquer plano de benefícios e direitos, constituindo uma massa trabalhadora barata, explorada e sem nenhum direito. Esta é, entre outras, mais um tipo de violência cometido contra as mulheres.

A programação do evento será intensa, os dias serão permeados por discussões sobre o tema “ermpoderamento das mulheres” e “a busca pela equidade de gênero” em todas as atividades sociais e da economia, que são garantias para o efetivo fortalecimento das economias, o impulsionamento dos negócios, a melhoria da qualidade de vida de mulheres, homens e crianças, além do desenvolvimento sustentável. Empoderamento feminino significa dar poder para as mulheres, que cada uma delas possa assumir seu poder individual, resultando no crescimento e fortalecimento do papel de todas as mulheres na sociedade. É um processo moroso, um exercício de desconstrução de duas vias, onde não apenas uma mulher, mas muitas mulheres se beneficiam. Indica também que, se uma sofre, todas sofrem, pois são parte de um só corpo.

A nossa igreja, IEAB, está envolvida na luta pelo empoderamento das mulheres no Brasil, não só na igreja, mas também fora dela, em todos os espaços. Empoderar é enaltecer, pôr uma menina ou uma mulher no degrau de cima, colaborar para que elas conquistem seus espaços, seja de fala, de família, de trabalho. E, claro, não menos importante, enaltecer a si mesma. O empoderamento feminino é papel de tod@s: mulheres e homens, juntos, sonhando, vislumbrando e buscando no cotidiano um amanhã melhor.

Até a volta!!!

 

Odete Lieber